Notícias na área de Petróleo e Gás

07/06/12, CAS

PETRÓLEO E GÁS: CRESCE BUSCA POR QUALIFICAÇÃO NO EXTERIOR

Entre os profissionais estão advogados, executivos, economistas, além de engenheiros.


A expectativa da criação de mais de 200 mil empregos diretos e indiretos nos próximos cinco anos torna o setor de petróleo e gás um dos mais promissores do país. “A procura por informações sobre cursos que vão do inglês técnico ao MBA cresceu 30% nos últimos dois anos”, afirma Ana Beatriz Faulhaber, consultora em educação internacional e diretora da CP4 Cursos no Exterior, empresa especializada em planejamento de carreira. “O aumento da demanda tem estimulado a criação de programas in company e a ampliação da oferta de cursos no exterior”, afirma Faulhaber.

Profissionais de Direito, Economia, Geologia, Engenharia e até mesmo Negócios ou Gestão têm demonstrado interesse em cursos de pós-graduação e mestrado como o que é oferecido pelo Centro de Petróleo, Energia e Lei Mineral e de Política (CEPMLP, na sigla em inglês), na Escócia. "Devido à localização e ao programa, esses cursos têm chamado a atenção de pessoas que buscam investimento na carreira e também na bagagem cultural”, ressalta Faulhaber.

O tempo de estudo varia de seis a 12 meses. No caso do mestrado "Gerenciamento Internacional em Petróleo e Gás", o objetivo é preparar os participantes para cargos gerenciais, de assessoramento e acadêmicos no setor de energia, tanto privado quanto estatal. A inscrição nesse programa, assim como nos de pós-graduação, requer o IELTS (International English Language Testing System) ou equivalente, sendo a experiência de trabalho na área de energia natural uma vantagem.

Já os advogados têm buscado cursos como os de Masters of Law, com abordagens como: Mudanças Climáticas e Lei da Política; Leis e Políticas Ambientais; Direito Comercial Internacional e Transações; Resolução de Litígios e Gestão Internacional; e Petróleo, Tributação e Finanças. Já os interessados em fazer MBA estão buscando experiência acadêmica além do foco na gestão, de olho também nas experiências interculturais e no network que esses cursos oferecem.
“Esse comportamento reflete uma percepção mais madura sobre mercados e globalização", analisa Faulhaber, que é mestre em educação. "Nesses cursos, os participantes desenvolvem a capacidade de analisar, sintetizar e avaliar os principais conceitos teóricos e aplicações práticas em matéria de energia, com ênfase nas dimensões econômica e política do assunto, o que é um diferencial”, acrescenta.

Além da barreira do idioma - O segmento de petróleo e gás é caracterizado por reunir em uma mesma empresa profissionais de diferentes formações, níveis culturais e nacionalidades. Na babel de idiomas o inglês continua sendo um trunfo. Mas quem domina também as nuances do idioma, assim como o vocabulário técnico, sai na frente. "Quando alguém se comunica de forma plena, antes de tudo demonstra respeito pelo seu interlocutor, o que ajuda a quebrar barreiras e gera mais confiança mútua”, diz Fernando Gameleira, consultor e palestrante do Empretec (Sebrae). Para ele, é importante estar sempre em contato com profissionais de outras culturas, seja via web ou mesmo através de cursos de atualização nos países onde a empresa em que trabalha tem interesses comerciais. “Duas ou três semanas de um curso no exterior podem fazer uma grande diferença na carreira, assim como a participação em workshops, encontros ou cursos aplicados aqui por pessoa nativa de outro país. É uma troca muito rica, em todos os sentidos”, acrescenta. Comunicar-se com mais fluência, precisão e confiança em situações como reuniões, discussões, negociações e elaboração de relatórios coloca tanto quem está começando na carreira quanto o profissional de sucesso, automaticamente, em destaque.

Instituições de ensino se ajustam às necessidades do mercado -Uma das adaptações das instituições de educação internacionais são os cursos de menor duração. "De acordo com um estudo da Global English, somente 7% dos entrevistados se sentem confiantes de suas habilidades de comunicação em inglês, porém 93% dos profissionais afirmam que o idioma é fundamental para seus empregos. Já treinamos 12 executivos brasileiros no Rio e outros cinco já participaram em 2011 e 2012 de cursos que combinam o aperfeiçoamento do idioma com vocabulário e debates específicos para a indústria de Petróleo e Gás", conta Pam Dubois, diretora executiva assistente da ILS English, em Nottingham. Desde 2007, eles oferecem cursos de com foco na indústria de Petróleo e Gás organizados em programas que abrangem temas como: evolução da tecnologia, resolução de problemas, gerenciamento de projetos, sustentabilidade e inovação. "E o melhor, a duração é de uma semana, o que é ideal para quem já tem bom conhecimento da área e dispõe de pouco tempo", diz Faulhaber. Outro exemplo é o curso Inglês para Negócios e Gestão de Petróleo e Gás, em Nottingham. Ele pode ser combinado, de acordo com a necessidade, com Inglês Técnico para o pessoal de operações ou Inglês para Segurança, Saúde e Meio Ambiente.

Imersão sem sair da empresa -Atenta à internacionalização dos negócios no Brasil, a CP4 - Cursos no Exterior desenvolveu o programa Cross Culture in Company, um treinamento para quem vai negociar com companhias internacionais. "Visa atender às necessidades de empresas brasileiras que não podem abrir mão de seus executivos, para enviá-los para estudar no exterior, seja devido ao tempo ou ao custo", explica Ana Beatriz Faulhaber. A executiva da CP4 acrescenta que, além de empresas da área de energia, companhias que atuam na construção civil em várias partes do mundo têm buscado esse programa. "O Cross Culture in Company contempla tópicos como a análise de estereótipos, abordagens de negociação, desenvolvimento de estilos de liderança, estudo e análise de culturas e elaboração de estratégia de aproximação cultural", acrescenta.

Mais informações sobre cursos e planejamento de carreira estão disponíveis no site www.cp4.com.br. Os interessados também podem buscar consultoria no atendimento online, via Skype (atendimento.cp4cursos) ou pelo telefone: (21) 2247-9787 e 2513-4380.

Matérias publicada na CAS.

» Veja mais notícias e releases sobre a CP4